quarta-feira, 18 de janeiro de 2006

Viva a verdade desportiva!

Mais uma vez estou em total acordo com o teor deste comunicado que está on-line no site do FC Porto, tal como estive na denuncia do gesto do panilhas lampião que vai em primeiro na lista de melhores marcadores - e que hoje mesmo foi RIDICULAMENTE punido com multa de 450€ quando os regulamentos faziam crer que no mínimo levaria um jogo de suspensão... Mas como não veste de azul e branco, viva a verdade desportiva!

"«As regras têm de ser iguais para todos». Dito assim, sem máculas, soa muito bem. É um mandamento futebolístico, um princípio fundamental para quem anda de rosto erguido. A frase, porém, não pode ser proferida de forma desabrida. O decoro é exigido a quem não tem legitimidade sequer para a sussurrar. Muito menos para a gritar com tiques de ofendida. Mas o curioso é que o faz, do alto de um pedestal tão frágil como os seus telhados de vidro.

A questão é simples: ou se é sério ou não se é. Não há meio termo, nem importa tentar emendar a mão ou recorrer a cosméticos de loja dos 300. É muito feio querer ficar bem na fotografia com gestos de falso samaritano, é escabroso apregoar o que não se tem. Neste caso, bons princípios.

O que se passou no Estoril-Benfica da temporada passada tresanda a intrujice. Com que fins é que uma equipa dá um tiro no próprio pé? Por que será que faz questão de alargar uma sepultura da qual até se podia salvar? As falsas ofendidas dirão que aqui não se detecta o aroma do esturro. Mas também só sabem mentir, enganar e enlear. Até são capazes de dizer que já não têm interesse directo no emblema rival quando, na realidade, como ainda recentemente se percebeu, continuam bem emaranhadas na sua sociedade moribunda. De pudicas, como se constata, nada têm.

Mas a bizarria projecta-se em episódios repetidos. Onde é que ficam os princípios, a transparência e a verdade desportiva quando se contrata atletas de um adversário imediato? É claro que podem jurar de forma pungente que Fonte rescindiu unilateralmente o seu vínculo com o V. Setúbal sem ser espicaçado por ninguém. Mas será que alguma alma acredita? Que atleta prefere o desemprego a um contrato de trabalho? E o guarda-redes de que tanto se falou? Apenas foi abordado no dia da famosa e, aparentemente, impune bofetada?

«O que conta é o futebol português e a sua própria credibilidade». Dito assim, sem máculas, soa muito bem. Mas será que os três pontos averbados na tal vergonha algarvia não podem ter decidido o campeonato transacto? E como teria finalizado o V. Setúbal-Benfica se Fonte estivesse no posto onde se tornou visível na Liga 2005/06? São questões em aberto, desafios aos quais ninguém de boa fé poderá responder com uma verdade firme e definitiva.

O despudor prossegue. E, assim sendo, ano novo, procedimentos... velhos! Marcel, o melhor atleta da Académica, recusa-se a treinar e arrisca penalizações. Alguém crê que, pura e simplesmente, acordou mal disposto ou fartou-se que lhe chamassem estudante? É lógico que não! Era demasiado óbvio. Só podia ir para o Benfica. Viva a verdade desportiva!"




NOTA - Quanto aos anónimos que de vez em quando aqui mandam uns bitaites, um conselho: não gostam, não leiam! Porque podem concordar ou não com o que é dito, podem argumentar muitas coisas, mas com o argumento de que quem aqui escreve não é bom adepto, caros amigos, isso é de total falta de intelecto e não há ainda nenhum medidor de portismo! Sou eu, como os meus colegas de blog, no mínimo tão bons adeptos e portistas como qualquer um dos outros milhares, mas provavelmente até somos melhores dentro desse prisma de análise porque não somos nem cegos nem seguidistas!

10 comentários:

Apre disse...

Lá seguidistas não são.

O comunicado é exemplar, os lampiões já nem vergonha têm.

Uma palavra para a bela sondagem do Ricardo.

Quaye disse...

É pena ser apenas o Porto a tentar mostrar o favorecimento constante a esse clube. Os outros clubes estão estranhamente (ou se calhar não) em silêncio e completamente indiferentes a todas estas "intrujices" dos lampiões.

Quanto a mais uma vergonha que foi o caso da donzela da luz, como sempre o sr Jorge Maia escreveu uma excelente coluna n' "O Jogo", em que, se alguém tinha alguma dúvida quanto ao total favorecimento a tal clube, fica plenamente esclarecido.

Miguelito disse...

Próximo adversário? Gil Vicente. Se os de Barcelos se portarem bem e não dificultarem, ganham o João Pereira de empréstimo...

Alex disse...

E não é que "curiosamente" na semana anterior à do jogo com o Gil Vicente o recreativo lhes "fornece" 2 ou 3 jogadores (Nuno Assis ainda em equação...)...

Mas é claro q tudo isto são..."coincidências" de calendário...

bracarense disse...

Assino por baixo (inclusive das letras pequenas...).

Nuno Antunes disse...

Começo este comentário assumindo-me como Benfiquista convicto. Mas acima de tudo, tento ser justo e objectivo. Não ponho em causa as jogadas sub-reptícias que todos – repito, todos – os clubes fazem. O FC Porto não é excepção e nem pode agora almejar a ser um paladino da verdade e transparência desportiva. Até porque, como todos sabem, o FC Porto tem telhados de vidro. Tal como todos os outros, Benfica incluido. Daí que este comentário, lido no site oficial do clube, me repugne. E repugna-me por várias razões: a primeira das quais é não estar assinado por ninguém. Não sendo o site um jornal, não se presume que o comunicado é da responsabilidade do director. Aliás, ninguém sabe quem é o director. Ora, vir fazer uma apologia da transparência e nem sequer a ter para assinar o texto – ou dizer que o texto é da responsabilidade da Administração da SAD - é grave. Depois, vem a questão simples: ou se é sério ou não se é.Ora, que moralidade tem o FC Porto para dar lições neste campo? E quem diz o Porto, diz qualquer outro clube, Benfica incluido. No futebol, praticamente não há seriedade. Neste caso, estamos a falar de um clube – o FC Porto – que dá, também ele, tiros no pé da dita seriedade, ao delatar o Petit, em nome de uma pretensa verdade desportiva , com o claro propósito de este não jogar contra si. É caso para dizer que, com este comunicado anónimo, se detecta – e muito - o aroma do esturro. E é isto que é estranho num clube como o FC Porto: em primeiro, tem telhados de vidro. Logo, não tem moralidade. Logo devia estar calado. Em segundo, o FC Porto tem grandeza suficiente para não estar, por sistema, a olhar para o que o Benfica faz ou deixa de fazer. O FC Porto, como vocês sabem e sentem, deve preocupar-se consigo. E ponto final. Para terminar, resta responder a uma questão que o comunicado anónimo coloca. “ Onde é que ficam os princípios, a transparência e a verdade desportiva quando se contrata atletas de um adversário imediato?” A esta pergunta, responde-se com a sedução ao Jorge Couto, quando o adversário imediato era o Boavista. Responde-se com Paulo Assunção, Rossato e Adriano, quando o adversário é o Sporting, com o flop Moretto, quando o adversário é o Benfica. E isto para não falar nos casos de jogadores em litígio com o seu clube, que o FC Porto diz não querer contratar: já se esqueceram do César Peixoto? E que dizer do Maniche e do Sokota?Quem lhes criou o litígio? Sejamos sérios: não há inocentes. Nem o Porto é mais transparente que o Benfica ou vice versa. O lodo existe e está em todo o lado. Resta-nos continuar a gostar de futebol e a torcer. Mas com a capacidade de discernir que não há santinhos.
Agradeço a atenção pela leitura. Cumprimentos.

Olho Vivo disse...

Caro Nuno Antunes,

Lê isto n'O Jogo:

"No relatório de Bruno Paixão, que deu origem a uma suspensão de quinze dias, está escrito que a advertência a Adriaanse se deveu ao facto de o treinador ter saído da área circunscrita que lhe compete a protestar. "É falta", terá dito o portista, em inglês."

Viva a transparência no futebol Português! Agora diz-me se não há filhos, afilhados e ovelhas negras.

Já agora, responde, se puderes porque não há um jogador do FCPorto na selecção Scolari F.C. ? Só há EX-jogadores. E como comentas o facto de o Sérgio Conceição ter sido considerado o melhor jogador na Bélgica e nem sequer ser convocado? Não venhas com esses argumentos porque a lama já vem desde o tempo do Salazar, quando apelidou o Eusébio como *Instituição Nacional* para o impedir de sair do benfiquinha. A diferença é que pouco se via de imagens ao contrário do que sucede agora. Nem por isso o maralhal deixa de ter vergonha. Já o disse aqui várias vezes e sem distinção do clube: os bons jogadores devem ser protegidos das entradas maliciosas dos que não sabem fazer outra coisa. É o que se vê. O Quaresma já está meio manco e os jogadores que lhe provocaram isso apanharam apenas um amarelo. OS cartões servem para jogar cartas, na óptica dos árbitros. Pfff.

Miguelito disse...

Ora bem... Gil Vicente - 1 x Benfica - 3. Dois golos do SLB nascem de duas faltas não forçadas como se diz no ténis: uma mão na bola e um auto-golo extraordinário.

Realmente, como diz o Nuno Santos (mas o que leva um benfiquista a perder tempos nos blogues portistas?), não há santinhos. Falo por mim...

Nuno Antunes disse...

Para o Olho Vivo
Lá está: não há mesmo santinhos. Aqui há uns tempos, o Paulo Bento jogou nas Antas. O árbitro era Martins dos Santos. O Paulo Bento disse-lhe (legível perfeitamente nos lábios) “não é falta”. Comeu com vermelho directo. Como é óbvio, a expulsão foi aplaudida pelos adeptos do FC Porto e vaiada pelos do Sporting. Mais uma vez, o denominador comum destas duas situações é um: tremenda injustiça. E esta existe porque o futebol português e os seus juizes são incompetentes. E muito. Sejam eles do Benfica, Porto ou Sporting.

De ressalvar que me esqueci, no outro comment, de falar das ausências do Bruno Vale do jogo da Amadora e do Maciel no jogo contra a UDL. Isto para não falar, reportando-me aos casos em litígio – do clube pelo qual o Duda, jogador em claro litígio, vai assinar... Não há, definitivamente, ninguém com mais moral que outrém. Leia-se mais um comunicado anónimo sobre as almoçaradas do Veiga e o que ele respondeu sobre o reveillon do senhor Nuno P. Costa. É palavra contra palavra. Eu acredito nas duas, logo... não há santos nem santinhos.

Já agora, responde, se puderes porque não há um jogador do FCPorto na selecção Scolari F.C. ?
O único que lá devia estar era o Professor Ricardo Quaresma. O Scolari é casmurro. Tal como é o Adrianse (veja-se que ele fez o mesmo ao Costa e ao Postiga que o Scolari fez ao Baía, que por sinal, hoje não está a jogar contra a Naval, sem grande explicação a não ser a do frango na Amadora – o que não parece ser muito satisfatória, não achas?)

E como comentas o facto de o Sérgio Conceição ter sido considerado o melhor jogador na Bélgica e nem sequer ser convocado?
O Sérgio Conceição vai tirar o lugar a quem na selecção? Ao Cristiano Ronaldo? Antes do Conceição para lá ir, deve ir, como já disse, o Quaresma.

Não venhas com esses argumentos porque a lama já vem desde o tempo do Salazar, quando apelidou o Eusébio como *Instituição Nacional*.
Essa do Benfica ser clube do regime é um falso mito. É uma construção. Um dia destes, e com toda a cordialidade, terei muito gosto em rebater argumentos sobre isso contigo. É de reparar que o Figo, o Mourinho e o Ronaldo também são “Instituições Nacionais”. O Maradona idem aspas na Argentina.

Ao Miguelito:
“Ora bem... Gil Vicente - 1 x Benfica - 3. Dois golos do SLB nascem de duas faltas não forçadas como se diz no ténis: uma mão na bola e um auto-golo extraordinário.”
Não se pode culpar o Benfica dos Galos do Jorge Baptista. O penalty que dá o empate parece-me mal assinalado. Mas tal não põe em causa o mérito da vitória do Benfica. Foi superior, jogou melhor, mereceu ganhar. E ainda há um fora de jogo muito mal assinalado ao Nuno Gomes...

“Mas o que leva um benfiquista a perder tempos nos blogues portistas?”
Não sei. Gosto deste espírito presente neste blog e gosto de discutir futebol.

Cumprimentos,
Nuno Antunes.

Miguelito disse...

Quero cumprimentar o Nuno Antunes pelo elogio feito a' "O Dragão" (!) e por demonstrar que os benfiquistas não são todos iguais. Eu é que não tenho motivação para visitar blogues "encarnados".

Relativamente ao(s) assunto(s) em discussão, concordamos que não há santinhos. O que há é um branqueamento escandaloso e sistemático de uns relativamente a outros e isso tem sido denunciado objectivamente aqui n'"O Dragão".