quarta-feira, 25 de janeiro de 2006

"25 de Abril sempre" por MST

" 1 -
(...)
Anteontem, tal como milhões de outros portugueses, fui votar nas eleições presidenciais.
O meu 25 de Abril.Meio a sério, meio a brincar, costumo dizer que o 25 de Abril só se cumpriu verdadeiramente quando a democracia chegoutambémao futebol.
Quando, em1978, o FCPorto pôde, enfim, ser campeão e pôr fim ao oligopólio lisboeta do Benfica- Sporting, instalado nos hábitos e cultura do Estado Novo e doPaís.
Nesse dia o país futebolístico democratizou- se também, abriu-se a uma nova fronteira—o Porto e o Norte—a que, mais tarde, se juntou também o Boavista. Não aceitarei em silêncio que ninguém mais me volte a tirar isto. E se hoje o escrevo, tendo como ponto de partida de reflexão as eleições de domingo passado, é porque sinto que anda no ar uma atmosfera do antigamente, umprojecto subliminar de subversão das regras democráticas do jogo, para regressar aos pacíficos tempos em que o mais forte mandava e os outros obedeciam.
Há um nevoeiro de arrogância reencontrada e subserviência correspondente, um todo-poderoso que atropela as regras, reclama privilégios de autoridade e exige dos outros silêncio, medo e obediência. Sabem a que me refiro: os sinais estão todos aí.
2 - Perguntava Maló que interesse poderá ter tido um clube como aAcadémica eme mprestar um jogador ao Benfica. O contrário sempre se viu, agora um clube pequeno emprestar um jogador a um grande nunca se tinha visto. Tentemos perceber olhando mais de perto uma história contada com grandes cerimónias e dúvidas silenciadas.Marcel era o melhor jogador da Académica. Em 15 jogos tinhamarcado nove dos 14 golos da equipa. Depois dele julgo que a Académica não voltou a marcar.
Custou caro aos estudantes, em Julho passado, e tinha uma cláusula de rescisão de 3,5 milhões de euros. Quinze dias antes do jogo comoBenfica deixou de comparecer no clube, com quem tinha contrato válido e, que conste, salários em dia e nenhum motivo de conflito.
No dia seguinte ao jogo com o Benfica, a que não compareceu, apresentou-se na Luz, como novo reforço benfiquista e declarando que tinha sido contactado «oficialmente» pelo Benfica... 15 dias antes — ou seja, exactamente quando desapareceu de Coimbra.
Já José Fonte, doVitória de Setúbal, tinha feito semelhante: rescindiu unilateralmente com o Vitória na véspera do jogo com o Benfica e apareceu na Luz, como novo reforço, no dia seguinte ao jogo.
E ambos confessando-se benfiquistas desde a infância.
Transparente. Mas o negócio de Marcel é, de facto, curioso. A Académica ficou sem ele, teve de ir ao mercado comprar um substituto e não viu umtostão do Benfica pelo negócio. Foi emprestado, com direito de opção em Julho próximo. Quer isto dizer que,mesmo que o Benfica pague a totalidade dos seus salários até Julho, a Académica só pode sair a perder do negócio: ou o Benfica o devolve em Julho, porque não gostou dele, ou exerce o direito de opção, mas de certeza que por menos que os 3,5milhões, porque nessa altura tanto o Benfica como o jogador estarão numa posição de força privilegiada (e que agora já demonstraram) para forçar o desconto que quiserem.
Que ganhou a Académica? E, se cair na II Divisão (como caiu o Estoril no ano passado, depois de ter sido forçado ao negócio da troca de campo no jogo com o Benfica), quanto lhe terá custado o voo de rapina da águia?Veja-se o Vitória de Setúbal: já sofreu tantos golos em três jogos sem o Moretto como os que tinha sofrido em 15 com oMoretto.
E foi forçado a vendê-lo tão barato que o próprio presidente do Benfica se comoveu e decidiu acrescentaruma gorjeta ao preço pago (?). E o patético Chumbita ainda se prestou a uma coisa inédita, que foi participar na cerimónia de apresentação do jogador aos sócios do Benfica.
Agora a única esperança de viabilidade doVitória é esperar que oGoverno aprove um projecto de urbanização que é uma vergonha pública mas permitirá salvar um clube que está falido por actos de gestão como este.Este fim-de-semana, pelo menos, houve uma alteração de métodos. Na véspera de jogarcomoGil Vicente o Benfica não tratou de seduzir ou desviar nenhum jogador do adversário (não havia nenhum que o justificasse): desta vez limitou- se a prometer que, depois do jogo, lhe emprestaria dois jogadores.
Uns cavalheiros.

3 - Em Braga, quando se viu derrotado, Nuno Gomes sugeriu por gesto explícito que os adversários estavam drogados. O País inteiro viu na televisão e percebeu a mensagem.
Na Figueira da Foz, contra a Naval, Co Adriaanse terá exclamado para dentro do campo «é falta!», a propósito de uma jogada qualquer.
Ninguém viu nem ouviu, excepto o árbitro.
Nuno Gomes levou de castigo 450 euros de multa; Co Adriaanse levou dois jogos de suspensão.
Que falta que têm feito este ano as cotoveladas do McCarthy!
Desde que ele recolheu os cotovelos, já repararam que nunca mais houve uma cotovelada no futebol português?
Anda tudo tão santinho que até um tipo dizer «é falta!» é considerado uma ofensa grave...

4 - Mas, à falta de cotovelos portistas, temos mãos. Uma abundância de mãos, de adversários benfiquistas. Encomendei uma sondagem à Euroteste: nos últimos 30 jogos da Liga (o que abrange também a parte final do campeonato do ano passado), 90 por cento das mãos ou supostas mãos sancionadas dentro das áreas resultaram em penalties a favor do Benfica.

5 - O campeonato está na sua fase decisiva, em que quem se destacar agora tem todas as possibilidades de já não ser alcançado. Sábado joga-se o Benfica- Sporting, domingo o Rio Ave- FC Porto. Pois foi justamente nesta altura que a FPF engendrou um acontecimento chamado Torneio Vale do Tejo, em que a Selecção B de Portugal (uma coisa que nem sabíamos que existia) vai ter de defrontar, entre quarta e sexta-feira próximas, umas obscuras selecções do Leste. Convocados para este importantíssimo torneio estão quatro jogadores do Sporting, todos eles titulares habituais, e cinco do FC Porto, entre os quais o decisivo Ricardo Quaresma.Do Benfica... nenhum. Segundo explicou o seleccionador, oManuel Fernandes, por exemplo, «está debilitado fisicamente e nos próximos tempos nem sei se posso contar com ele». Será o mesmo Manuel Fernandes que, no sábado passado, jogou a partida inteira contra o Gil Vicente?Que torneio irão inventar na semana do Benfica-FC Porto — o Torneio Segunda Circular ou oTorneio Benfica Campeão?"

4 comentários:

**sPhyNKs =] disse...

assino por baixo.. MST em grande + uma vez..

há verdades k doem

Francisco disse...

Ai, Miguel, Miguel, ainda te não deste conta que os "vampiros" estão aí todos outra vez?!
E o pior são os renegados, crápulas e frustrados que os comandam em todas as instâncias, com todas as conivências e com apoios a todos os níveis. Querem maiores crápulas que o LFV e O JV?

Galinha Moribunda disse...

Pinto da Costa tem de voltar a mostrar a ambição e espirito de luta de outros tempos.

Temos de voltar à luta com toda a força e enfrentar olhos nos olhos estas galinhas, pois se continuarmos assim o barco vai resvalar para um poço sem fundo.

Deixemo-nos de bocas sem sentido e inuteis ao Major AL Beiga e que se ataque o alvo que tem de ser atingido, o Spor galinhas e benf7ca

Olho Vivo disse...

Tal como MST o diz, cheira à cultura do estado novo. A mim, tresanda a favores e jeitos para o povinho parolo enfrentar as dificuldades que aí vêm - cortes financeiros em todas as frentes - de sorriso nos dentes com as vitórias do clube do regime. Sim, porque é o clube dos milhões...de parolos. Sempre foi esta a filosofia do Salazar.

Neste artigo, o MST resolveu dar tréguas ao treinador. Não que mereça. Mas porque é necessário para ver se cai em si e volta a colocar a equipa que estava finalmente a parecer ganhar alguns mecanismos. Está visto que os ingredientes estão todos prontinhos para saltar "prá púcara" e para que o clube do regime tenha todas as condições necessárias e suficientes para revalidar um título que ironicamente lhe foi entregue (as faixas) no último jogo do campeonato. Nunca tinha visto tal.

Agora só falta saber se o nosso treinador tem "os coisos" no sítio para aguentar a pressão e em vez de provocar os adeptos com as suas estratégias tresloucadas, se decide por uma equipa estável, que misture experiência com juventude, COM POSIÇÕES BEM DEFINIDAS E CLARAS, para que tenha os adeptos do seu lado.

Carago, é tão fácil... só o homem é que não quer ver isso. Tem uma oportunidade de ouro para ganhar títulos, uma equipa de luxo ao seu dispôr e mesmo assim consegue colocar em campo uma equipa com um a dois jogadores a menos. Pura e simplesmente porque não sabe colocar os jogadores. Continuam sem explicar porque o Rui Barros fica num canto do banco e o treinador e o ajudante no outro canto. Desculpem lá este desabafo, mas custa-me muito ver a desorganização que anda dentro das quatro linhas. E acho que tem um único responsável.