terça-feira, 11 de abril de 2006

Voltemos à terra...

Voltando à terra, falemos então do nosso Porto e do que se passa actualmente...
Segundo o Pai de Diego, este não ficará mais nenhuma época no Mágico Porto. O Mágico Diego, criticado por muitos, mas que no início da época foi considerado o melhor jogador do Porto numa série de jogos consecutivos, vai-nos abandonar.
E este abandono deixa-me, como Portista, muito triste. Porque vejo ali um grande jogador, com um potencial enorme que nos poderia dar imensas alegrias.
Muitos dizem que ele está sempre no chão, que cai muito, etc. Mas se verificarem, tal só acontece porque Diego é massacrado pelos adversários, porque tenta sempre romper.
Afinal Adriansse sempre tem lugar para um número 10 na equipa ou não tivesse Jorginho jogado naquela posição em Alvalade.
Penso que ainda nos vamos arrepender de vender o Diego e só espero que ele não faça uma viagem de retorno a Portugal para reinos de infieis.
Mudando de assunt, falemos agora do Jorginho. Todos os jornais tentam criar um caso pelo facto de ter sido Jorginho a marcar o golo, designado-o por mal-amado da massa associativa.
O que não compreendem estes média é que os assobios tinham outro destinatário, até porque Jorginho não foi defendido pelo treinador como devia, levando-o mesmo a fragilidade psicológica que o leva a falhar um golo em Guimarães de baliza aberta, porue tremeu ao ver a baliza.
Sempre aqui escrevemos que o Jorginho tinha potencial, mas que na altura em que se falava deveria sair da equipa por uns tempos para sua protecção, o que não aconteceu.
Mas como querem criar casos no Mágico Porto, aqui está mais um.
E agora deixem-me finalizar com parte do que diz o Jorge Maia hoje no jornal o Jogo:
"...
A umas equipas, os quartos-de-final da Liga dos Campeões servem como se tivessem sido feitos no alfaiate de encomenda, a outras, encaixam como um fio dental no traseiro inflamado de um babuíno peludo. Para as primeiras, chega perfeitamente; para as segundas é um desconforto e uma vergonha.
Por outro lado, para a maior parte das equipas, a hipótese de ganhar o campeonato e a Taça de Portugal na mesma época é um exagero, assim como vestir calções por cima de calças. Para outras, é fato-macaco. Para o FC Porto, por exemplo, é roupa de todos os dias, como aquelas calças de ganga confortáveis e a camisa de algodão que já começa a ficar coçada no pescoço. É banal, o que justifica a indiferença que tem rodeado essa possibilidade nos últimos dias. Se fosse outra equipa, talvez se justificassem alguns directos, um ou dois inquéritos de rua, meia dúzia de debates sobre o estado da Nação e um especial da Praça da Alegria. Sendo assim, o melhor é não dizer nada. Pode ser que dê para esquecer...
"
E vai continuar a ser assim ou pior...
Veremos, dentro em breve, a diferença de tratamento ao Campeão Nacional FC Porto e ao ex-préfabricado campeão do ano passado...

6 comentários:

Anónimo disse...

Em teoria, Diego é um grande jogador! Na prática, em 20 meses de bola, Diego nunca mostrou em dois jogos consecutivos um rendimento que comprovasse aquilo que ele é… em teoria.
Há algo que não compreendo nesta sequência de desabafos do pai do jogador e do próprio jogador, já que Diego afirmou que não tirava uma vírgula às palavras do pai: O facto é que Diego tem sido uma aposta constante dos vários treinadores que têm passado pelo clube. Esta época já participou em 19 partidas, 12 delas a titular… tem quase 1300 minutos nas pernas. Em teoria, o grande Diego, já teve esta época condições de aparecer... mas a prática é outra realidade. O que ainda me confunde mais são as palavras do pai, até parecendo que Diego foi obrigado a assinar o contrato com uma arma apontada à cabeça e que a mesma transferência foi custeada do seu bolso.
Se eu fosse presidente do F.C.Porto, fazia sair um comunicado onde quem quisesse podia ler:
Para memória futura, a F.C.Porto SAD faz saber que o jogador Diego Ribas da Cunha não será transferido até ao fim do seu contrato, a menos que algum clube esteja disposto a pagar 25 milhões de Euros pelo seu passe.

Diego sabe fintar, tem boa capacidade de passe curto e um razoável poder de remate… e daí?
O Diego sabe jogar com a cabeça levantada? O Diego sabe ler o jogo? O Diego sabe defender? O Diego joga no espaço vazio? O Diego joga sem bola?
A todas esta perguntas a resposta é… NÃO!!
Não estou a dizer que o Diego não pode ser um grande jogador… pode. Mas apenas se tiver humildade para reconhecer que ainda tem muito que aprender para ser um jogador de futebol e não se ficar apenas pelos malabarismos circenses!

MGP disse...

Para o Diego sair é preciso que o FCP deixe....e não o vão vender com prezuízo....o pai que fale à vontade...

MGP disse...

Desculpem, ficar a trabalhar até às tantas dá nisto no dia seguinte...quis dizer prejuízo e não "prezuízo" :-(

Ladylover disse...

Gosto muito do Diego. Diria que é um jogador "de caras" para ser titular na nossa equipa. Pinto da Costa diz que o treinador gosta muito do jogador. Leio nas entrelinhas que se não joga, deverá ser por algo que aconteceu (não sabemos...) ou alguma razão disciplinar. Este treinador é muito rigoroso e é disso que precisamos, quando o plantel é muito jovem. Tudo a bem da equipa. Espero que não vendam o Diego. A vender, que vendam muito bem. Por outro lado, já não posso com aquela eminência parda do "pai-empresário".
O Jorginho é humilde - ver declarações após o jogo - e isso é uma qualidade. Não concordo que os jogadores sejam "poupados" quando a massa associativa não gosta deles. O jogador deve entrar quando faz falta e deve ter força psicológica. Se é ao treinador que se pedem responsabilidades pelos resultados, também deve ser ele a mandar no plantel, e não a bancada, não acham? No caso de Jorginho a aposta "cega" no jogador deu certo, pelo menos a julgar pelos últimos dois jogos. Parabéns pelo post. Um abraço portista.

Bracarense disse...

Concordo com o "anônimo"(põe qualquer coisa no nome, pá. Custa assim tanto??).
Não me parece que o Diego seja daqueles casos típicos do grande jogador que uns anos antes da confirmação vem treinar a um clube tuga e é mandado embora (tipo Geovanni no Guimarães).
Como foi referido ele já teve tempo suficiente pra justificar os 15M pagos pelo passe e os não-sei-quantos milhares de ordenado. E claramente não o fez. Um número 10 vê-se muito pelas assistências que faz, pela grande qualidade de passe e Diego não mostrou uma nem outra.
Se tivesse vindo de borla e/ou fosse baratinho, diria q valeria a pena deixá-lo estar. Assim, são 15 M de € deitados fora.
É vendê-lo caro pra tentar recuperar os 15M.

Já o Andersson parece-me outra história. Esse sim parece craque. Assim o Co o deixe mostrar.

Apre disse...

Não tenhas duvidas das diferenças de tratamento.

Quanto à venda do Diego, se não tiverem um lucro fabuloso é um pesssimo negócio.