quinta-feira, 24 de novembro de 2005

LEITURA PERFEITA

"O F. C. Porto cedeu um empate (1-1) no Dragão, comprometendo quase definitivamente as aspirações em seguir em frente na Liga dos Campeões.
Foi um desaire que fez lembrar o acontecido com o Artmedia, mas , desta vez, o adversário não chegou ao triunfo. E não podia isso suceder porque os escoceses só fizeram um remate à baliza e Baía não fez uma única defesa!
Este decepcionante empate - consentido a sete minutos do fim - começou antes do jogo e tem um rosto Co Adriaanse.
Há técnicos que têm uma certa atracção pelo abismo. O holandês mostrou-o, ontem, porque resolveu "inventar" uma linha de ataque atípica e em contracorrente com o modelo de sucesso do jogo com a Académica.
Falhou ao colocar Lisandro a ponta-de-lança; falhou ao deixar Ibson no banco; falhou ao tirar Diego e deixar em campo um frágil Jorginho; falhou ao tentar tapar o buraco que criou, rendendo Pedro Emanuel (o sustentáculo da defesa) para lançar, finalmente, Hugo Almeida e falhou ao não fazer entrar Mc-Carthy (só fez duas substituições).
Antes do jogo, Adriaanse disse que o Inter teria de fazer o seu trabalho - e fez. Certo, só que o técnico portista não fez o dele.
Foram muitos equívocos em tão pouco tempo. Pode alegar-se que houve grande injustiça, tal o domínio avassalador dos dragões, mas a estatística ainda não ganha jogos.
Adriaanse não fez "bluff" - à boa maneira portuguesa... - ao anunciar que iria proceder a alterações no onze que defrontou a Académica (de tão boa memória).
Prometeu e cumpriu entrando Diego e Jorginho e saíram Ibson e Hugo Almeida. Pela primeira vez, a equipa jogou sem ponta-de-lança. Da parte do Glasgow, a ordem era para defender, com duas linhas de quatro elementos, como que formando um castelo escocês.
Com as marcações cerradíssimas, os dragões como que pararam no tempo, não logrando entrar no último terço do campo adversário. Depois, a opção pelas bolas aéreas falhava porque faltava... Hugo Almeida. Entendendo esta lacuna, Adriaanse, na segunda parte, fez entrar o português, por troca com Pedro Emanuel. A frente ofensiva ganhou amplitude e, atrás, o F. C. Porto passou a jogar com um central apenas. E começou o assalto final à baliza escocesa que seria premiado com o golo de Lisandro que se estreou a marcar na "Champions", depois do bis aos estudantes. A partir daí, iniciou-se a guerra táctica no Rangers, entrou o atacante Thompson e saiu o médio Rae; nos dragões, a defesa ficou recomposta com a entrada de Bruno Alves e a saída de Diego.
Evidentemente que o meio-campo perdeu força e o Rangers fez um remate, ironia das ironias, fez... golo, ante a desconcentração total da defesa portista. E como os deuses não estavam com os dragões, Lisandro e Paulo Assunção, com a baliza aberta, atiraram contra o guarda-redes do Rangers.
Foi o canto do... dragão."

8 comentários:

Anónimo disse...

De quem é o texto?

O Dragao disse...

Perdão, foi falha minha.
JN

Bruno Morais disse...

Imperdoável! Adrianse, para mim já era. O homem está sempre a inventar. Não se percebe a insistência em Jorginho e para mais, durante os 90 minutos!
Soube agora que o Glasgow Rangers perspectiva a contratação de Le Guen para treinador.
Do que é que Pinto da Costa está à espera?!

Anónimo disse...

ISTO É SÁ MALTA QUE SABE DA PODA!!!

BOLAS, AFINAL HÁ MUITOS TREINADORES POR AÍ À SOLTA E NÓS NÃO SABÍAMOS.

MAS FALAR A POSTERIORI É FÁCIL, EU TAMBÉM POSSO CRITICAR, QUEREM VER.. O TREINADOR DEVAI TER POSTO O IBSON E O HUGO ALMEIDA DE INÍCIO!!!

SE EMPATASSEMOS NA MESMA DIRIA:

O TREINADOR DEVIA TER POSTO O DIEGO DE INÍCIO E O LISANDRO QUE MARCOU 2 GOLOS A PONTA DE LANÇA COM A ACADÉMICA NA VEZ DO HUGO ALMEIDA!!!

OK!! É FÁCIL SER TREINADOR...

AFINAL DE CONTAS, TODOS PERCEBEMOS DISTO...

SÓ NÃO PERCEBO É PORQUE NO ANO PASSADO SE CRITICAVA PORQUE NÃO HAVIA FIO DE JOGO, APESAR DOS RESULTADOS NEM SEREM MAUS. AGORA HÁ FIO DE JOGO MAS OS RESULTADOS É QUE INTERESSAM!!!

MEUS CAROS, AMNTENHAM A PACIÊNCIA, SE NÃO MUDARMOS DE TREINADOR SEREMOS CAMPEÕES NAS CALMAS, MAS SE CEDERMOS AOS ÍMPETOS DE TODOS OS TREINADORES DE BANCADA TEMOS MAIS UM ANO COMO NO PASSADO. 3/4 TREINADORES.

Raul disse...

Não sou adepto que se mude constantemente de treinador, mas só se eles tiverem alguma qualidade. Fui contra a substituição de Couceiro, e sou completamente a favor da substituição de Adrianse, pois para mim não tem o minimo de qualidade, mais para mim é o pior, repito pior treinador do mundo tecnica e pessoalmente.

Os erros nunca são dele, acusa os jogadores um a um, não defende o grupo, não tem a minima noção do que é a mistica portista, envergonha os nossos simbolos, desvaloriza completamente os nossos activos, com ele qualquer jogador contratado pode ser capitão no dia seguinte. Um treinador deve ser um lider, se houver um erro o treinador deve dizer eramos, a culpa é minha, eu sou o lider, este é o meu grupo e eu sou responsavel por ele. Não como faz o nosso que diz a culpa foi do fulano tal, foi da juventude, foi da estatistica e nunca, mas nunca dele.

Conclusão, é fraco demais para ser treinador de um clube que quer ganhar, e para alguns que aqui escrevem, devo lembrar que quem é realmente portista não se pode contentar em ganhar o campeonato nacional e ser envergonhado nas competições europeias. Quem tem este tipo de mentalidade nunca será um vencedor.
Mais, com este senhor que se diz treinador de futebol só temos perdido prestigio europeu.

Saudações Portistas

Nuno disse...

Há fio de jogo? Já houve uns fiapos na altura do ataque total, neste momento o fio de jogo que há é bola do Baia para a cabeça do Hugo Almeida e bola dos defesas para o ataque passando por cima do meio campo? Tens dúvidas? Vê um jogo e conta quantas vezes tens estas duas jogadas e depois diz qualquer coisa...

dragaovenenoso disse...

Mais: já não é a primeira vez que o Porto começa o jogo com a posse de bola e o que esstá ensaiado é uma bola prá frente. Parece Raguebi.

Nuno disse...

«dragaovenenoso said...
Mais: já não é a primeira vez que o Porto começa o jogo com a posse de bola e o que esstá ensaiado é uma bola prá frente. Parece Raguebi.»

Caramba... tantos elogios que esta malta já deu ao Robson (e justificados) e nem se lembram que esta saída era usual no seu jogo, tendo inclusivé dado um ou dois golos... um foi ao Vitória de Setúbal, nas Antas... golo de Drulovic, aos 10 segundos!!

É uma saída que coloca de imediato o adversário lá atrás... é uma saída que tenta aproveitar uma possível desconcentração inicial dos jogadores, que nem sempre estão "acordados", e estão muitas vezes desposicionados no apito inicial!!

Mas bom bom, é falar mal... é o que eu digo "benfiquização"...