sexta-feira, 1 de setembro de 2006

Deixem-me dar a minha opinião...

Já desde há muito tempo que a arrogãncia e prepotência da FIFA me mete nojo.
Tomam-se como um Estado sem território completamente "sui generis", ainda por cima acham-se supra Estaduais em relação aos Estados propriamente ditos e não admitem qualquer interferência no seu Reino de forma a manterem o seu potencial económico a seu bel prazer. Isto, também, porque não querem deixar as vidas abastadas que levam, com direito a todas as mordomias, cartões de crédito e coisas que tal.

E porque será que a FIFA não admite intervenções nos tribunais comuns?
A FIFA não admite intervenções nos tribunais comuns a coberto de serem questões de indole meramente desportiva, porque sabe que não ficaria pedra sobre pedra da sua instituição. Porque tal como no caso do Acordão Bosman, levar um processo judicial destes até às últimas consequências poderá ter efeitos nefastos sobre a FIFA.

E em que termos? Fácil, muito fácil.
Até hoje os clubes são obrigados, repito, obrigados a autorizar os seus jogadores a representar as selecções nacionais sob pena de pesadas sanções sobre os mesmos.
Acresce que, os jogadores, mesmo contra a sua vontade, se forem convocados estão obrigados a jogar pelas Seleções Nacionais, sendo certo que normalmente estes não se importam de jogar pelo seu País, visto que continuam a ser pagos principescamente pelos seus clubes e ainda ganham uns cobres a mais por representarem as seleções.

E o que faz a FIFA com as seleções e com estes jogadores a quem não paga salários e os trata como escravos?
Organiza Campeonatos do Mundo, em que ganha quantias astronómicas de dinheiro, distribui umas míseras coroas pelas Federações suas submissas para que estas as ajudem na manutenção deste estado de alma (tal como está agora a acontecer) e aos clubes, principais pagadores desses jogadores e que por muitas vezes os recebem lesionados, nada, nem um vintém.
Os próprios jogadores também nada recebem da FIFA e no entanto são os principais artistas.
Apenas recebem uma ameaça de suspensão no caso de não jogarem nas seleções e deixam mesmo de poder jogar pelos clubes, pasme-se, mesmo sendo estes que lhes pagam e lhes dão os contratos e todas as mordomias.
Estranho, não será?

E porque não deixam recorrer aos tribunais civis? Ora essa, porque em qualquer Estado do Mundo (ou quase todos, certo?) lhes seria reconhecido o direito à liberdade de escolha de jogar ou não jogar sem qualquer tipo de sanção.

No plano estritamente desportivo, é lógico que não se pode recorrer aos tribunais civis, pois não se poderia discutir o penalti e o cartão vermelho. Mas quanto ao resto, não me venham com histórias.
Não se poder recorrer a um Tribunal quando há injustiças, se mexe com uma empresa (que é o que é hoje o futebol), com trabalhadores, com a viabilidade financeira, com contratos da mais variada índole, com milhões de contos, etc, etc, será normal? Existe em qualquer outra actividade que não o futebol? Arranjem-se só uma outra situação em que isso aconteça.

Mais!!! Na situação actual, a FIFA ameaça a suspensão dos clubes portugueses das provas europeias pelo facto do Gil Vicente ter recorrido aos Tribunais Civis.
Certo é que o Gil Vicente recorreu da primeira vez aos Tribunais para tratar de um caso de foro laboral e da irregularidade de um regulamento que deve obedecer às leis imperativas deste País.
E ameaça outros clubes portugueses de suspensão naquelas provas, como se estes fossem culpados do que quer seja, tentando que estes, por alguma forma exerçam coacção psicológica sobre o Gil Vicente, pois só assim tal suspensão se compreende.
Que culpa tem o Porto que o Gil Vicente siga a sua saga nos Tribuanis comuns e que não desista? No caso de suspensão o Porto será indemnizado pela perda de milhões de Euros da Liga dos Campeões e pelos danos na sua imagem? Não poderá recorrer aos Tribunais Civis para o efeito?

Isto é mas é uma pouca vergonha de senhores que pensam que mandam em tudo.
Por mim o G14 arrumava já com essa FIFA em três tempos e aí veríamos quem tinha o poder. Uma Liga Internacional feita por clubes e veriam como eles iriam ao sítio em três tempinhos, mansinhos e com bolinha baixa, pois aí eles veriam quem realmente
é importante no mundo do futebol.

O tempo da ditadura nos paises desenvolvidos já lá vai, essa é que essa..

28 comentários:

Ricardo Sousa disse...

Completamente de acordo ... Assino por baixo... Bem analisado e escrito ..

Dragão Maronês disse...

É bem verdade que, quer a Comissão de Disciplina da Liga, quer o Conselho de Justiça da FPF, são incoerentes com a Lei que apilcam assim nuns casos e aplicam assado noutros casos semelhantes.
Bem conhecemos nós, portistas, as vilezas de que a CD da Liga é capaz. E os outros também viam, mas interessava-lhes manterem-se calados, porque o prejudicado era o FCPorto
Ainda assim acho que os clubes não devem ir para os tribunais comuns derimir questões de indole desportiva.
E nesta história de Gil Vicente, Belenenses e Leixões, embora me custe ver o Belenenses na 1ª Liga desta maneira, parece-me que o Gil Vicente deve ir mesmo para a 2ª quanto mais não seja pela nódoa do presidente que tem (acabei de ver há momentos a entrevista que deu à RTP1).
Um homem daqueles devia ser proibido de ir à Televisão, em prol da sanidade mental dos Portugueses. Ele está bem ao nivel dos elementos da CD da Liga, só ques estes apesar de tudo tem uma vantagem sobre ele: - Não os vemos, nem os ouvimos na TV.
Num momento qualquer vamos acordar todos e vamos verificar que afinal estávamos a sonhar. Que Valentins,Madaís,Cunhas Leais, elementos da CD da Liga, Presidente do Gil Vicente etc, etc, afinal já desapareceram todos enós voltamos a ter o futebol de que gostamos,onde a importância é dada aos jogadores, por aquilo que fazem dentro do campo, e que são os verdadeiros artistas.
Viva o Futebol!
Viva o Futebol Club do Porto
Dragão Maronês

miguel disse...

Excelente Post!

PavlovDoorman disse...

Também o tribunal não está muito preocupado com este caso e até temos alguma sintonia de ideias no ultimo post dragão.

fabio disse...

Pois, ridículo até mais não..
A mim o que me dava prazer ver desaparecer do mapa era a Liga de clubes, isso sim, um grande antro de corrupção e tachinhos prós amigos.

Bracarense disse...

Dragão maronês,

Não queres explicar em que medida é que o caso Mateus é uma questão "de índole desportiva"?

hugo disse...

Muito bom post. Subscrevo a 100%

dragaovenenoso disse...

Como é que ficou a estória do melhor jogador do Mundial? Sempre foi o zizizu? A *Federação Internacional de Futebol Amador* (acho piada ao nome, principalmente à última palavra) sempre o conseguiu desculpar da agressão? É que não estava cá em Portugal e fiquei sem saber o desfecho...
Se ficou assim, então a FIFA continua em espiral livre desde o Mundial da Coreia, em que levou ao colo um dos países anfitriões. Não entendo como os estados não exercem pressão sobre uma federação como qualquer das outras que existem.

O gajo disse...

Caro Dragaovenenoso, o culpado é o Materazzi, um autêntico assassino e arruaceiro que teve sorte e só levou 3 jogos.

lucho disse...

estou de volta dp das férias. SAUDAÇÕES AZUIS E BRANCAS

Anónimo disse...

k pobreza de frequencia de postagem ... Este blog ja teve melhores dias .. Postem la ... pur exemplu sobre a contrataçao do mister Luis Castro....................................................

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
antónio disse...

"pur exemplu" ?????!!!???

tripamoura disse...

Lamento, mas discordo. Prefiro que haja uma FIFA e o jogo seja o mesmo no planeta inteiro do que ter campeonatos à americana de grupos de clubes que se entendem uns aos outros e que tanto podem ter uns clubes num ano com outros no outro, mudam de nome, de regras, de tudo todos os anos. A força do Futebol é ser exactamente o mesmo em todo o planeta. Quando se perder isso, acabou-se tudo.
A FIFA tem posições de que discordo, mas nos casos apontados no post parece-me que é mais a típica preguiça e corrupção a estragar tudo. Senão vejamos: A FPF para sobreviver tem que ter o estatuto de utilidade pública dado pelo governo. Este só o deve dar se achar que nada no funcionamento ou regulamentos da FPF vá contra o que o Governo acha que deve ser o praticado em Portugal, ou seja nada deve ser contra a Lei. O mesmo se passa entre a FPF e a Liga que é um mero órgão da FPF e só não obedece por cobardia de quem ocupa uns lugares face a quem ocupa outros.
Ora se a estrutura é esta, ou bate tudo certo e não são precisos recursos a tribunais civis para nada, ou então está alguém a dormir na forma e tem que ser demitido - primeiro na Liga, depois na FPF e por fim no Governo, pois a responsabilidade vai em cadeia por aí a cima.
Por outro lado, se nem Liga nem FPF nem Governo fazem nada, então acho perfeitamente legítimo que o Gil vá até ao fim do mundo e se ficarmos sem euro08 e competições da UEFA por uns anos é porque merecemos mesmo...

Quanto a mim, independentemente do que disserem os regulamentos, o simples bom senso diz-me que no terreno de jogo o Gil fez mais pontos que o Belenenses e que em relação ao amador que pôs a jogar consultou a Liga primeiro. Portanto, dessem as cambalhotas que dessem nos regulamentos, demitissem quem tivessem que demitir, o Gil tinha que ficar na primeira. Mai nada.

Mas suspeito que o caso ainda está para durar e era boa ideia a SAD ir fazendo uns contactos com a Liga Espanhola que até nos fazia bem não termos que competir com adversários tão fraquinhos...

Abraços

Apre disse...

Caro Dragão,

Os clubes das ligas europeias ao participarem nelas abdicam do direito de recorrerem a tribunais civis, porque a justiça desportiva não demora 5 anos a decidir um caso destes mas 5 dias, e os campeonatos não podem ficar parados 5 anos!

O Belenenses agiu de acordo com a lei, o Gil também mas, ... outra lei.

lucho disse...

2 mentecaptos analisados no meu blog

Joaquim Varela disse...

Tripamoura, tudo bem até este parágrafo, que contradiz o que dizes em cima:

"em relação ao amador que pôs a jogar consultou a Liga primeiro. Portanto, dessem as cambalhotas que dessem nos regulamentos, demitissem quem tivessem que demitir, o Gil tinha que ficar na primeira. Mai nada."


Consultou a lIga, que NEGOU a inscrição do jogador (Ele só jogou provisoriamente nuns quantos jogos, por conta desta mesma acção judicial, que mais tarde deu razão à Liga na pessoa do seu Director Executivo)!

É tão difícil compreender uma coisa destas? Posteriormente o GV, socorreu-se dos Tribunais Civis, para tentar eliminar esta nega regulamentar que tem punição prevista nos mesmos. Ao que me resta acrescentar: Dessem as cambalhotas que dessem, o GV tem de ser punido!

Demitir por demitir, mais valia demitir o bronco do Presidente do GV, que só diz é disparates

tripamoura disse...

OK, Varela, não sabia das coisas com esse detalhe, concordo que na altura se deveria ter logo agido quando o GV recorreu a primeira vez aos tribunais civis. Mas não esqueço o fundo da questão: com que base é que a Justiça civil decidiu? Se porventura é contra a Lei geral o regulamento da Liga que diz que um jogador não pode passar de amador a profissional na mesma época, então quem tinha que ser inteligente era a Liga, autorizando extraordinariamente a inscrição do jogador e na primeira oportunidade corrigindo os seus regulamentos.
E mantendo-me no fundo da questão, não vejo problema nenhum em um jogador passar de amador a profissional seja em que momento for...
Ou seja, independentemente do Fiuza ser o bronco que é (apesar de ter intervenções bem cuidadas escritas pelo excelente advogado que contratou), independentemente da atitude do Belenenses querer ganhar na secretaria um direito que não conquistou desportivamente, na minha opinião o Gil deveria ficar na superliga - até para evitar o imbróglio de nível mundial que vai ser se a justiça dos tribunais também não entender como eu porque raio não pode um jogador de futebol passar a profissional a meio da época!

Mas se só olharmos à justiça desportiva concordo contigo - devia ser punido à primeira e severamente punido agora outra vez.
Só que no fundo sabemos bem que estão a tramar o Gil e não consigo deixar de ter simpatia pela coragem que estão a ter em não se deixar comer pelos trutas do futebol...

abraço

N'Dinga disse...

Pessoalmente entendo que se trata de mais uma (como tantas outras) questão de competência. Existem inúmeras matérias que estão, mesmo no nosso ordenamento jurídico, confiadas a tribunais especializados ou que têm um sistema próprio (a justiça militar, por exemplo, até há bem pouco tempo, a justiça administrativa), por isso não me mete confusão nenhuma que existam órgãos jurisdicionais próprios para certas matérias.
No caso em apreço, peço desculpa de discordar do meu amigo (e sou-o de facto) Dragão, mas entendo que não se trata de matéria laboral, seria, quando muito (do meu ponto de vista) matéria administrativa, porque se tratava de impugnar uma decisão de uma autoridade administrativa, mas também não o é: trata-se de uma violação das normas desportivas, logo, para mim, o caso é do foro desportivo.
Mas entendo que, uma vez que a jurisdição própria das matérias desportivas se encontra consagrada numa lei (lei de bases do desporto, L n.º 30/2004 de 21/7, Art.º 47.º) e os tribunais, mesmo os comuns, estão obrigados a respeitar e observar as leis, boa parte da responsabilidade nisto reside nos magistrados judiciais que receberam as petições do Gil (quer da primeira vez, quer da segunda), quando, do meu ponto de vista, se deviam ter declarado incompetentes em razão da matéria.
É a minha opinião. Os regulamentos, concorde-se ou não com eles, existem e são prévios ao início das competições, sendo do conhecimento de todos os intervenientes. São as regras do jogo e só joga quem quer. Não se podem alterar a meio, muito menos ao sabor da conveniência.
O GV deve, pois, do meu ponto de vista e em face do que acabei de dizer, ser punido com duas descidas de divisão: para a Liga de Honra pelo primeiro recurso aos tribunais comuns, para a 2.ª B, pelo segundo recurso.
Abraço a todos.

Anónimo disse...

CAro tripamoura

Eu também confesso que não entendo porque razão um amador não pode ser inscrito , na mesma época como profissional, mas acredito que haja alguma razão válida para tal, tanto mais que foi algo aprovado pela unanimidade dos clubes (Gil Vicente incluido).

Agora se o GV fica na 1ª Liga, aí é que vai haver mesmo bronca com a FIFA. Disso não tenhas a menor dúvida pá!

O GV não revela coragem nenhuma. Revela, isso sim, uma demência e cegueira, próprias de quem não se limita a aceitar as leis que devem ser cumpridas por todos.

A Liga, se tivesse aceito a inscrição do jogador - medida inteligente, segundo a tua maneira de ver - teria violado gravemente os seus próprios regulamentos e isso sim, parece-me muito pouco inteligente.

Para mim, o GV fez merda e agora tem de arcar com as consequências. Paciência

Joaquim Varela disse...

Este ultimo comentário saíu como anónimo , mas é meu

Joaquim Varela disse...

Nem mais N´Dinga! Assino por baixo, somente com uma ressalva. Julgo que os tribunais civis (o de Braga e o do Porto), se declararam incompetentes para julgarem as acções interpostas, quer pelo GV, quer pelo jogador Mateus.

O Dragao disse...

Eu continuo a discordar do N´dinga e muito.
No meu entender trata-se de questão que não é extrimamente de índole desportiva e entendo que os regulamentos, estatutos ou o que quer que seja têm de estar de acordo com a Lei Imperativa. E no meu ponto de vista não está.
De resto não conheço todos os contornos do processo, como tal não sei bem no fundo quem terá toda a razão. Com o meu post não quis dizer que era o GV ou qualquer outro que deveria ficar na 1.ª divisão, pois para mim tanto me dá como se me deu.
Mas que esta arrogância da FIFA me deixa fora do sério, lá isso deixa.
Na altura também ameaçaram o Bosman e depois deu no que deu. E porquê? Porque foi o único que foi até ao fim...
É que GV mesmo tendo que ficar na 2.ª divisão, pode acabar com a mama destes senhores em três tempos...

Joaquim Varela disse...

O GV só vai continuar na 2ª Divisão, se retirar a Providência Cautelar. Se não retirar, terá que ser punido com nova descida de Divisão (neste caso para a IIB) após novo processo Disciplinar. Aí entraria em competição em provas organizadas pela FPF e seria suspenso das mesmas enquanto durar o processo cível. Portanto, para acabar com a tal "mama", o GV terá que ser extinto.

Que o caso é de indole estritamente desportiva parece-me claro. Lê o artº 47 e o 48 do link que já aqui disponibilizei (http://www.idesporto.pt/DATA/DOCS/LEGISLACAO/Doc05_031.pdf) e acho que não pode oferecer grandes dúvidas.

Artigo 47.º

Questões estritamente desportivas
1 - Não são susceptíveis de recurso fora das instâncias competentes na ordem
desportiva as decisões e deliberações sobre questões estritamente desportivas.
2 - São questões estritamente desportivas aquelas que tenham por fundamento
normas de natureza técnica ou de carácter disciplinar, nomeadamente as infracções
disciplinares cometidas no decurso da competição, enquanto questões de facto e de
direito emergentes da aplicação das leis do jogo, dos regulamentos e das regras de
organização das respectivas provas.
3 - No número anterior não estão compreendidas as decisões e deliberações
disciplinares relativas a infracções à ética desportiva, no âmbito da dopagem, da
violência e da corrupção.

Ora, se o GV recorreu de uma normaregulamentar (a não aceitação da inscrição de um jogador), continuo a não compreender porque carga de água há tanta discussão.

O Dragao disse...

Chegou o ilustre iluminado das artes que diz que não existe discussão... É tão fácil, não é?
Se calhar nem direito no secundário teve, mas temos aqui a pessoa que soluciona tudo.
Jurisconsultos dos mais reputados deste País já afirmaram que se tratava de uma matéria que poderia ser encarada como não sendo estritamente desportiva mas como uma matéria de foro laboral, mas o aqui iluminado resolveu o caso em três tempos com o recurso a uma única norma.
E será que já lhe passou pela cabeça que poderá haver inconstitucionalidade desta Lei de Bases ou de alguma das suas normas?
E que elas podem ser arguidas a qualquer tempo?
Será que lhe passou pela cabeça?

Joaquim Varela disse...

Não sou iluminado. Limito-me a ler o que é escrito por esses tais "reputados" juristas.

Existe discussão, desde que 2 pessoas o queiram fazer.

O que tive ou não no secundário, parece-me ... secundário.

Para mim é liquido que é estritamente desportiva.

Se há inconstitucionalidade, o GV devia ter requerido isso quando aprovou os Regulamentos da Liga e quando se inscreveu na competição. Não agora depois de fazer merda é que pensa numa coisa dessas, na minha maneira de ver.

E claro que eu sei porque é que há tanta discussão. Há tanta discussão, porque estão advogados metidos ao barulho. Essa malta que desde que lhe cheire a dinheiro, tanto defende deus como o diabo.

Basta tomar como exemplo, o Professor Martelo, que no passado fim de semana, deu conselhos a "ambas as partes". Ou seja, deu conselhos a deus e ao diabo. melhor exemplo, parece-me que não pode haver.

A questão seria relativa somente ao contrato de trabalho, se o GV tivesse recorrido ao Tribunal de Trabalho (coisa que "curiosamente" não fez) se tivesse requerido (e provado) ao Tribunal de Trabalho a nulidade do contrato entre o jogador e o Lixa (coisa que foi sugerida pela FPF no c+elebre fax que o bronco do Fiuza diz ter em sua posse, mas que não entrega aos jornalistas, para eles o publicarem, utilizando frases do mesmo, a vulso, retiradas do contexto, para cobrir as suas decisões patéticas...).

Claro que pensei nisto. Se calhar muito mais do que possas pensar, mas como eu sou adepto do "inimigo", qualquer coisa que diga não serve para nada, não é assim?

O Dragao disse...

Cuidado com o que diz dos Advogados...
Deus queira que nunca precise de um deles, pois caso contrário haviam de o mandar pela porta fora...
Quanto ao Marcelo Rebelo de Sousa, o homem não é Advogado... pelo que é mais um tiro no pé...
Falar sem bases de sustentação é típico do Presidente do seu clube, como tal...

Joaquim Varela disse...

O presidente do meu clube, tal como diz o do seu, não é chamado aqui para o caso.

Eu nalgum local disse que o Professor Martelo é advogado? Não? Pois, eu bem me parecia.

Quanto ao resto, nem merece resposta, o que é pena, mas é tão fútil quanto a argumentação por ti apresentada.

Mais uma vez, a cor clubistica tolda o espirito aberto e a discussão dos casos. Tal como tu estou-me a borrifar quer para o GV, quer para o Belenenses. Somente me limito a dar a minha opinião. Mas como é a opinião dum adepto do "Inimigo" não intressa para nada, por mais que ela possa ser sustentada pelas leis. É somente mais um "mouro" a querer defender um clube da capital do império, não é? Estou-me positivamente a borrifar se joga o CFB ou o GVFC na 1ª Liga, se queres que te diga, mas à luz das leis vigentes, acho que o Belenenses tem razão. Somente isso.