segunda-feira, 1 de março de 2010

O fim de um sonho...

Ainda há dias eu pedia que me, que nos deixassem sonhar...

Infelizmente, o meu pedido não foi atendido e caminhamos, a passos largos, para a pior época da década. Porque mesmo na fatídica época de 2005 fomos Campeões do Mundo e quase, mas quase mesmo, ainda ganhavamos o campeonato e conseguimos a qualificação para a LCE.

Este ano, o campeonato, objectivo maior da época... adeus! Mesmo o 2º lugar está muito difícil, dependendo mais de uma hecatombe de um dos dois primeiros do que de nós próprios. A LCE deve ir pelo mesmo caminho (ou os jogadores mostram outra atitude em campo e o treinador deixa de usar os Mariano's e Guarin's) porque não estou a ver o FC Porto a aguentar a pressão do jogo de Londres. O resto são taças menores que não servem para mais que um sorriso de satisfação.

E como está já demonstrado, não é por fadiga que aconteceu ontem o desastre - como se vê, há quem tenha jogado mais vezes esta época e este mês e com menos dias de descanso até ao jogo de ontem e mesmo assim correu mais, lutou mais e esforçou-se mais do que nós.

E um plantel como o nosso, habituado aos grandes palcos e a fazer mais de 50 jogos por época, não pode desculpar-se com isso. Se há profissões que se podem programar a médio e longo prazo, o futebol é um deles.

Mesmo a questão de só termos menos 2 pontos que a época passada à 21ª jornada também não é desculpa, porque se os outros estão mais fortes, não deveríamos estar nós também? E nós não criticávamos já o treinador o ano passado a exigir mais da equipa?

Não, meus caros adeptos, não. A desculpa está usada e gasta, a realidade é apenas uma só: acabou o ciclo Jesualdo e é bom que a SAD comece a trabalhar a próxima época com um novo treinador, já. Porque este está desgastado e não tem mais por onde se tirar sumo de lá...

Ontem, como muito bem salientaram aqui os meus colegas, foi deprimente ver o Mariano em campo. E ver sair o Meireles ao intervalo e ficar o Mariano. E ver que estava a perder, o jogo e a partida, desde os 6 minutos, e nada fazer para alterar o rumo das coisas. Colocar o Guarin em campo. Para quê, meus senhores, para quê? Eu sei que o plantel está curto e desequilibrado. Mas não fui eu que andei a mandar comprar e vender jogadores, que dispensei outros e que emprestei "putos" que agora fazem falta (e são bem melhores que alguns estrangeiros que lá andam) para "tapar" buracos de castigos e lesões. A SAD teve um orçamento de 60 milhões de Euros para isto? O Robson, o Oliveira ou o Mourinho tiveram muito menos e fizeram muitíssimo mais...

Estou triste. Ontem, em vez de continuar a sonhar, fui colocado no centro de um pesadelo. Como diria um conhecido meu, acordei no epicentro em Lisboa de um terramoto de grau 3.0 com muitos feridos no Estádio do Dragão e há ainda a lamentar a queda de um penta-campeonato...

Se, como disse o Nuno, somos Porto e vamos continuar a ganhar, apenas lhe peço, como mais velho e mais habituado às conquistas, que incuta nos colegas de balneário a força, a garra e a vontade de vergar o Arsenal. Ao menos chegar um pouco mais longe na LCE para que os adeptos possam andar de cabeça levantada... Porque estamos todos cabisbaixos com o nosso penta que nos foi arrancado desta forma.

1 comentário:

Dragaopentacampeao disse...

Sempre tive consciência das dificuldades que teríamos de enfrentar, face ao atraso considerável dos dois da frente, disfarçando, confesso, algum temor pela capitulação a cada jogo, atenuado é certo por resultados e exibições que a equipa, aqui e ali (Sporting para a Taça e Braga, na jornada anterior)ia desenvolvendo.

Foi ainda assim, com indescritível desilusão que assisti ao desmoronar do sonho, que lá bem no fundo o meu fervor clubista ainda alimentava.

Sem honra nem glória, são os termos exactos.

Inconcebível a forma de actuar dos nossos atletas, subjugados do primeiro ao último minuto, impotentes para esboçar que fosse qualquer tipo de reacção, deixando a nu uma catadupa de fragilidades que tem apoquentado a equipa na maioria dos jogos disputados esta época, com excepção para uma meia dúzia de exibições à campeão.

Incompreensível se atendermos às circunstâncias. O Porto vinha de um resultado gordo e uma exibição vistosa frente ao comandante do Campeonato, dando a ideia do reforço da sua candidatura ao título, enquanto o adversário, depois de batido copiosamente no Dragão para a Taça, tinha ainda contra si o esforço despendido a meio da semana na tarefa europeia.

Intolerante, pela displicência, pela falta de raça, de ambição e solidariedade, em resumo pela falta de estofo de campeão, numa altura em que era obrigatório responder no campo às provocações e injustiças de que o Clube tem sido alvo.

Estou na fossa!

Um abraço