quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Opssss (2)

Criticar é dizer o que está mal e quando tem de ser dito. Denegrir é dizer mal sem razão. Criticar é fácil quando se está na mó de baixo, mas como tambem se criticou aqui quando havia 20 pontos de vantagem, quando se foi campeão, bi-campeão e tri-campeão, há moral para o fazer agora. E nunca aqui se denegriu, se disse mal sem razão. Pode ser questionado se este é o local para se dizer que algo vai mal. No meu, no nosso entender, é. A internet e os blogs são locais por excelência para que as pessoas discutam e debatam estas coisas, livremente e abertamente. E é isso que temos feito. Elogiamos muito em 2003 e 2004, criticamos mais de 2005 para cá, sem deixar de ficar satisfeitos com as vitórias que se conseguiram e muito tristes com as derrotas que aconteceram. Por isso pedia que os leitores aceitem, democraticamente e civilizadamente, que há adeptos que não vêm tudo azul e branco, isto é, perfeito. E que quando notam alguma alteração na cor, alertam para que o perigo de se suceder o que se tem sucedido nos nossos rivais pode acontecer a qualquer equipa, a qualquer momento e têm a coragem de dizer "o rei vai nú" num grito de alerta.

Sobre o jogo em Kyev, e apesar da vitória de ontem, que a todos nos soube bem, não vamos tapar o sol com a peneira. O FC Porto teve sorte, muita sorte, no resultado obtido. Porque se ao intervalo plasmei o que me ia na alma, a mim e a milhares de outros portistas, logo a seguir no recomeço do jogo vi a coisa ainda mais negra, uma hecatombe quase a acontecer, tamanha era a aflição da defesa. O resultado, por melhor que nos saiba, tem sempre o travo do fortuito. E a equipa continua perdida em campo, desorientada, com os nervos à flor da pele, como se comprova com todos os cartões amarelos que levamos, todos eles por protestar com o árbitro e o último por comemorar de raiva o golo sem a camisola e que lhe valeu a expulsão.

Porque a realidade é que o treinador, depois de mais de uma dezena de jogos oficiais, ainda anda a fazer experiências e a tentar encontrar soluções para tapar buracos na equipa. Vejamos, defesas esquerdos esta época já são 5: Fucile, Benitez, Lino, Tomás Costa e Pedro Emanuel. Extremos direitos, 6: Mariano, Rodriguez, Tomás Costa, Tarik, Candeias e Hulk. Ainda não encontrou local para o Hulk, que ora joga em cunha no ataque, ora joga atrás do Lisandro, ora joga ao lado do Lisandro, ora joga nas alas. O Tomás Costa só não jogou à baliza e a central, fora isso até de ponta de lança já fez no desespero das derrotas. O meio campo varia quase todos os jogos.

Porque a realidade é que ontem não havia equipa, andaram perdidos em campo durante grande parte do tempo. Mesmo o Lisandro e o Lucho não fizeram nada o jogo todo, felizmente que são jogadores que têm por vezes um único rasgo num jogo e que o decidem com isso.

Mas não percamos a noção da realidade. Estamos em crise, estamos com muitos problemas e o treinador é a causa directa de muitos deles. Por isso, confiantes que este jogo pode ter sido a viragem e o pontapé na falta de confiança que a equipa atravessa, vamos ser serenos e aceitar que quando há adeptos e sócios que criticam a equipa, apenas estão a expressar o amor e precupação que sentem e não a comemorar derrotas, como por vezes dão a entender nos comentários que aqui deixam. E só espero que no fim de semana, mesmo a jogar mal e com sorte à mistura, voltemos a ganhar aos lagartos, nem que seja meio a zero...

9 comentários:

José Campos disse...

ontem o fc porto mostrou que tem potencial suficiente para dar a volta a este período menos bom por que está a passar. fizemos um jogo de garra e de muito sacrificio. este fc porto já anda mais perto daquilo que todos nós tamos habituados. já tinha saudades destes dias. desta o jesualdo já se safou, agora em alvalade espero uma atitude igual ou superior.

a nação azul e branca

http://anacaoazulebranca.blogspot.com

dragaovenenoso disse...

O Fucille continua lesionado? é uma pena, pois é o melhor de todos os defesas laterais que temos e joga tanto à direita como à esquerda. O Sapunaru não me convence. Falha na parte mais importante que é defender. O Bino também não sabe defender. os golos do Leixões, principalmente o primeiro é uma falha enorme dele. O Benitez também não é grande espingarda...realmente com esta matéria prima não posso exigir muito ao treinador.

Mas pior que isso é a falta de tranquilidade na equipa, ao fazer maus resultados o treinador começa a inventar para tentar mudar as coisas...não é fácil.

Ontem tivemos a sorte que tem faltado. Não sei porque o JF não coloca o tarik à direita, o rodriguez à esquerda e o Lixa no meio. E no meio campo coloca o Raúl Meireles, o Lucho e o Pelé. O Tomás Costa pode ter muita vontade, mas não me convence. O Fernando já meteu água algumas vezes e parece-me limitado para acompanhar o ataque. Na defesa...enfim...fora os centrais, os laterais são mesmo fracos. Nessa situação os alas têm de ajudar muito mais.

dragaovenenoso disse...

O que mete nojo é aquela m* de papel que da capital do império, onde uma das mandantes do maior barrete da justiça que há história. Sim, essa madame que escreve hoje que não marcam penalties a favor do seu clube. Gozam connosco?! No tal penalty em Guimarães, o raboto do jogador vermelho já está a cair antes do central do Vitória lhe tocar. Vejam bem nos vídeos. Depois vêm dizer que o Bruno Alves deu uma cotovelada de propósito na cabeça do fulano da naval. Se virmos o vídeo, a impulsão do Bruno é de tal forma maior que a cabeça do gajo da naval está ao nível do umbigo do Bruno. E quando se salta utiliza-se os braços para impulsionar o corpo. É um nojo.

Ricardo disse...

O que eu acho, Pavão - e pegando um pouco nas palavras do dragãovenenoso - é que já temos demasiados adversários (clubes, imprensa nojenta, CJ da Liga, etc., etc..) - para ainda sermos, também nós, portistas, a atirarmo-nos constantemente ao nosso clube.
Não se trata de deixar de apontar os erros do Jesualdo ou da SAD (que foram e são imensos), mas a ideia com que, muitas vezes, se fica ao ler este blog é que os seus autores andam desejosos que o Porto perca para, depois, virem escrever posts com títulos "Estão a ver?", "Nós não dissemos?" ou "Nós bem avisámos!"...
Num jogo como o de ontem, que era decisivo, vir escrever um post daqueles ao intervalo, parece mesmo de quem está desejoso de que a desgraça aconteça para provar que "tinha razão".

Abraço

* mas também te digo: não trocava o Jesualdo por nenhum dos actuais treinadores da I Liga. Nenhum!

Francisco disse...

Ricardo:
Eu trocava. Não pelo Jorge Costa (falta-lhe ainda muita tarimba) ou pelo Domingos, mas pelo José Mota que tem provado saber fazer omeletas com poucos ovos. Não só no Paços de Ferreira, mas no Leixões, como se está a ver. Que sabe da poda, não tenham dúvidas nenhumas. E, segundo ouvi dizer, até é portista!

Ricardo disse...

Franciso:
Acredita que José Mota foi o único nome que me fez ter dúvidas sobre se deveria escrever aquilo (que "não trocava o Jesualdo por nenhum") ou não!

Vejo muita gente a suspirar pelo Jorge Jesus mas não creio que ele seja tão bom como o pintam (e como ele se pinta a ele próprio, já agora...)

Azulao disse...

O meu eleito, para ontem, já o disse e reafirmo: Jorge Costa. Há que injectar portismo na equipa e vindo do grande capitão significaria também o conhecimento dos 4 cantos do balneário. Quanto à questão da tarimba, permito-me perguntar qual a tarimba de Mourinho antes do Porto. E recordo o exemplo do Guardiola. Desde que substituiu o holandês e depois dum período de adaptação, é goleada atrás de goleada, com a recuperação de encostados como o E'too. Qual a tarimba dele antes do Barça? Os bons exemplos são para seguir.

Pavão disse...

Essa é também a minha opinião e há muito tempo, Azulão. O FC Porto precisa de portistas no balneáreo e de mistica no plantel. E precisa de um treinador que saiba transmitir aqueles valores ao grupo. O Adrianse não tinha curriculo antes de chegar, o Jesualdo idem e foram campeões. O Artur Jorge tinha um mau curriculo de vários despedimentos e foi campeão europeu. O Oliveira não tinha curriculo. O Fernando Santos tambem não. Tantos exemplos de "cepos" que ninguem dava nada por eles e foram campeões no FC Porto... E como dizes bem, vejam o Pepe Guardiola no Barcelona, que passou da B para a A e sem quase traquejo está a fazer o que se vê... O FC Porto precisa de um homem como o Jorge Costa, que era treinador dentro do campo enquanto jogador. Pode até nem resultar, mas a ele ou até ao Domingos dou, sempre, o beneficio da dúvida.
Quanto à maneira como expressamos as opiniões aqui, respeito que discordem da forma mas espero que respeitem da mesma forma o direito que todos temos de dizer o pensamos, para mais vejo que há quem concorde com validade delas, apenas preferem dizer que o manto invisivel que cobre o rei é fantástico quando ele, como todos vêm, continua como chegou ao mundo...

Francisco disse...

Meus caros "Pavão" e "Azulão":

Ainda bem que, quanto à escolha de um novo treinador, não perfilhamos a mesma opinião.Assim os frequentadores deste blog podem aquilatar da independência que norteia a intervenção de cada colaborador, umas vezes (quase sempre) convergindo, outras vezes divergindo, mas sempre exprimindo com clareza e respeito as nossas opiniões.
E agora, voltando à vaca fria:
Não é que eu seja contra o Jorge
Costa, mas acho-o ainda imaturo. É uma questão de feeling. Pode vir a tornar-se um bom treinador para o Porto, mas, para mim, ainda é cedo. Precisa de fazer mais rodagem como a que fez enquanto jogador e que tão bons resultados deu.
Os exemplos que os meus prezados consócios apontam valem o que valem e compreendo, mas, não querendo de forma alguma polemizar, poderia contrapor com o caso de Octávio o qual, conhecendo os cantos à casa como poucos, tendo sido jogador do clube e adjunto de treinadores,foi um autêntico desastre.
Conforme já disse, para agora, apontava para dois treinadores com provas dadas: em 1º lugar o José Mota que pessoas que o conhecem asseguram ser portista e sabe o que faz e em 2º lugar, mas já com reticências, o Jorge Jesus.
Desta forma, em caso de algum insucesso inicial do Jorge Costa, evitaríamos estar a queimar prematuramente aquele que poderá vir a ser então o nosso treinador do futuro.
Digo eu.