sábado, 30 de agosto de 2008

O EXEMPLO DO ZENIT

Ontem vi uma grande equipa, sem grande tradição, defrontar outra grande equipa, apenas e só uma das mais afamadas do planeta. E vi a equipa sem tradição e com pouco traquejo oferecer um festival de jogo bem jogado e arrebatar, com toda a naturalidade e ainda maior justiça, o troféu da supertaça europeia. Durante todo o jogo, o Zenit atirou-se para cima do Manchester, não se atemorizou minimamente e jogou com enorme classe e calma. Vi, para alem duma grande equipa, um superior treinador.

E digo-vos agora o que não vi. Durante noventa minutos e mesmo depois de estar em vantagem, não vi um único biqueiro para a bancada. Alias, a ultima grande oportunidade do jogo foi desperdiçada por Danny, depois de, num ataque inglês, o central russo ter cortado a bola com o peito, te-la dominado, passado por dois adversários e iniciado um fulminante contra-ataque. Também não vi o treinador do Zenit ter medo de lançar a titular um jogador contratado há 3 dias, jogador esse que acabou por ser Man of the Match. E não vi qualquer alteração táctica, vulgo invenção, apenas porque iriam defrontar o campeão europeu.

Tenho alguma esperança que Jesualdo Ferreira também tenha visto o que eu vi. Para que todos nos vejamos o Porto jogar no Emirates Stadium encarnando o espírito Zenit. Para que logo a noite vejamos o Lisandro no sitio certo e o Guarin no banco. Para que amanha não tenha que fazer copy + paste dos posts escritos após os jogos com os lagartos ou para a Liga dos campeões.

2 comentários:

Dragao e tripeiro disse...

é certo que vamos ganhar akilo logo!

Kinkas disse...

Eu também vi...

Espero que a mentalidade do "ser português" mude no Emirates. Esta é a melhor altura de enfrentar o Arsenal e de peito aberto.