domingo, 11 de maio de 2008

NOJO

1.A DECISÃO

O Presidente da Comissão Disciplinar da Liga, todo empertigado, com a sua voz de candidato a membro do esquadrão G, anunciou pomposamente o que já fizera saber oficiosamente por intermédio do seu braço escrito, o abjecto Correio da Manhã. Congratulando-se com o trabalho feito, o moço de recados de fato e gravata caros, lamentou apenas que não pudesse ter descido o Porto de divisão "já que os regulamentos não permitem". Por isso, eminente jurista como é, vai propor alteração aos mesmos. Suponho eu que com eficácia rectroactiva...
O pavão "alegre" fez a figura que faria um juiz que condenasse alguém a 25 anos de prisão por homicídio e viesse dar uma conferência de imprensa, auto-elogiando-se e lamentando não poder condenar esse alguém à forca porque o código penal não permite. Inédito na justiça portuguesa, sem dúvida. Concluindo o seu brilhante raciocínio jurídico, conclui que as escutas são legais "porque lhe foram entregues". Isto sim, é argumentação jurídica do melhor que tenho visto! Até o arrumador de carros do parque onde estaciono todos os dias entende que, se a Lei, no conflito de interesses e direitos que constitui, dum lado, a protecção da reserva da vida privada e do outro, o dever do estado de perseguir criminalmente quem prevarica, resolve permitir escutas apenas perante crimes puníveis com mais de 3 anos de prisão, significa isto que, em processos disciplinares as escutas não são permitidas. Bem, pelo menos o arrumador tem voz de homem...
À cautela, o pavão colorido emite decisão numa sexta feira, terminando o prazo de recurso na 2ª feira. E. como é evidente, perante um magnífico trabalho daqueles, com tanto estudo, o Conselho de Justiça de Federação limitar-se-á a curvar-se com respeito perante tanto iluminismo. Se eu fosse maldoso, diria que estaríamos perante uma tentativa de coação de um órgão superior, punível com descida a uma fossa séptica.
A comunicação social dá loas pela coragem da decisão. Não pela justeza, mas pela coragem... Um escarro de Comissão Disciplinar, um asco de jurista, um nojo de comunicação social, uma tristeza de País.

2. A SAD

Confrangedora figura fez o nosso Presidente na conferência de imprensa. Defendo há muito tempo, e agora mais do que nunca, que ninguém do Porto deve falar à comunicação social. Não se deve dar entrevistas, conferências de imprensa, nada de nada. Deve é manter-se um bom site oficial, onde se comunique tudo o que for relevante. Aí os jogadores poderão dar entrevistas, poderá descrever-se os treinos, substituindo-se assim os pasquins que, ainda assim, também ganham algo às nossas custas. Se só em nós devemos confiar, não temos que alimentar parasitas. E assim, deixávamo-los a falar sozinhos, com excepção das flash interviews, para evitar multas. Ai, jogadores e técnicos limitar-se-iam a repetir até à exaustão uma de três frases: "estamos satisfeitos porque trabalhámos bem durante a semana" "trabalhámos bem durante a semana, mas não conseguimos ganhar" ou "temos que trabalhar bem durante a próxima semana para voltarmos às vitórias". Até eles se esquecerem da nossa existência.
Bem, mas como ia dizendo, confrangedora conferência de imprensa. Para aquilo, emitia-se um comunicado. É que das duas uma - ou não se confia na justiça desportiva e diz-se claramente: "não confiamos, porque isto é uma cabala. Por isso,não recorremos, até porque assim o castigo é inócuo e, para os nossos inimigos, Ricardo Costa incluído, equivale a zero." Aí sim, eu entenderia a decisão tomada. Agora, proclamar que o Presidente vai recorrer é dizer que se confia na justiça. Se se confia, o clube tem que recorrer. Não podemos aceitar que a nossa honra, o nosso bom nome seja enxovalhado pelo mundo fora só porque podemos perder 6 pontos na próxima época. 6 pontos não são nada comparados com a nossa honra. Esta só se lava desmontando ponto por ponto as 900 páginas de asco que são aquele acórdão. Só se lava quando se demonstrar a cor clubística do pavão "alegre". Quando se demonstrar quem está por detrás disto. Aceitar, por conveniência, este castigo é a pior decisão que Pinto da Costa alguma vez tomou na sua vida desportiva. O Futebol Clube do Porto vale muito mais do que um campeonato. Eu não posso aceitar essa decisão.

2. O BOAVISTA

Não tenho nenhuma particular simpatia pelo Boavista. Mas não posso deixar de manifestar aqui publicamente a minha indignação pelo castigo aplicado, solidarizando-me assim, com os seus adeptos. A decisão tomada relativamente ao Boavista é a maior vergonha da história do direito português em democracia. Quando um Tribunal, com todos os meios investigatórios à sua disposição, diz claramente que não há coação sobre árbitros, como é possível que um órgão não jurisdicional, perante os mesmos factos, sem ter investigado nada, mas aproveitando apenas as certidões dos processos arquivados venha agora descer um clube de divisão? Só ódios pessoais, vaidade sem limites e uma total inconsciência e irresponsabilidade podem permitir uma situação destas. Mas, pasmemo-nos mais ainda - a coacção foi feita, supostamente, por alguém que não é dirigente do Clube, nem da SAD. Portanto, se eu, como adepto, corromper um árbitro, como sou sócio do Porto, o clube desce de divisão. Foi isto que o acórdão disse! Desejo, assim, do fundo do coração, que a Federação ponha aquele pirralho vaidoso de voz de fêmea no seu lugar e desfaça o acórdão em questão. E que o Boavista se levante e resolva os seus problemas.

4. DIFERENÇA DE POSTURAS

Um último ponto para louvar o que queria ter ouvido do meu Clube. Leiria e Boavista já fizeram saber que vão participar disciplinar e criminalmente do cor-de-rosinha e sua pandilha. Disciplinarmente, porque violou o dever de respeito pelos clubes, quando apresentou a decisão primeiro à comunicação social e só depois aos visados. Criminalmente, por abuso de poder. Era isto que o meu Clube devia ter anunciado. Mais importante, era o que devia fazer. Guerra total a esta escumalha.

5 comentários:

Bracarense disse...

Não concordo contigo no que à decisão da SAD diz respeito. Recorrer era justamente cair na armadilha montada. Se os 6 pontos são injustos nesta temporada, na próxima prejudicar-nos-iam directamente.
Como as acusações ao clube e ao PC são as mesmas, recorrer do castigo ao PC terá o mesmo efeito simbólico de recorrer do castigo ao clube.

De resto, acho que todo o processo é tão ridículo que só me dá vontade de rir.

Armindo disse...

Concordo plenamente com a tua opinião; isto Portistamente falando e com o coração!
Embora, como alguém o disse; que em vez de uma boa equipa de futebol, preferia tomar os poderes à Liga; e sabendo nós como o País anda - falando com a cabeça; entendo(mas não aceito) a posição tomada pelo NGP!

Anónimo disse...

Caro azulão,
parabéns pelo post mas, no que toca à decisão, imperou o pragmatismo.
Tenho uma certa dificuldade em argumentar neste caso porque, sinceramente, acho as acusações tão, tão ridículas que só posso concluir que esta sentença se trata de uma encomenda. E temo que recorrer para a Federação não adiante absolutamente nada.

F.C.Limpa Tudo disse...

Caro Azulão

Excelente post, contudo gostaria que ponderasse a questão do presidente recorrer até às últimas consequências, ou seja eventualmente até aos tribunais Europeus. Facto que o F.C.Porto não poderia fazer. Aliás como muito bem o Presidente disse:"«Não vamos recorrer da penalização dos pontos retirados à equipa, sobretudo porque ponho, como sempre pus, acima dos meus interesses os do F.C. Porto. Neste caso, a honra do clube ficará salvaguardada porque vou apresentar recurso. Para tal, já solicitei aos advogados do departamento jurídico para avançarem com o recurso da decisão da Liga em torno da minha suspensão para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol. Se não sentíssemos a razão do nosso lado, obviamente não recorreríamos da decisão. Quando as pessoas tiverem conhecimento das razões e da forma como fomos penalizados, perceberão que nada disto vai beliscar a imagem do clube»."

Saudações Portistas

Anónimo disse...

Recorrer seria embarcar no conto do vigários desses corruptos que detêm o poder. Assim, entendo que rir desta sentença é o melhor e se na conferência de imprensa o nosso Presidente dissesse que a CD da Liga deveria ter-nos penalizado com mais 3 pontos e que nós como prémio ainda oferecíamos mais 3, ainda mais rídicula tornava esta decisão da Floribela da justiça desportiva. Rir destes palhaçoes é o melhor que fazemos.