quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Insiste, insiste...

De facto, há coisas que só podem ser milagres. O nosso treinador, altamente competente e de vasto curriculo em eliminação por pequenas equipas, não só não aprende com os erros como ainda é capaz de se exacerbar e superar-se a cada competição que disputa em cada ano. Uma prova viva de que há seres humanos que só conseguem ser superiores à inteligência que dispõem numa única coisa: na burrice que fazem gala em exibir!

Nem tenho palavras para descrever o que sinto. Talvez seja da hora, manhã bem cedo. Talvez esteja ainda atordoado com este milagre. Talvez seja só falta de palavras pelo simples facto de há 3 anos andar a usar tantos adjectivos criticos sobre a gestão do futebol, os treinadores e alguns jogadores. Não sei, o que sei é que já me começa a faltar a paciencia para ver jogos como este, onde começando pelo treinador e acabando nos jogadores a falta de empenho e profissionalismo é gritante.

Volta Yustrich, anda cá fazer ver a estes rapazolas a massa da qual são feitos os verdadeiros homens e profissionais do FC Porto!

5 comentários:

FCP Coimbra disse...

Yustrich? Fui ver: Em 1955, estava no Futebol Clube do Porto, de Portugal , para fazê-lo campeão em 1956, após um jejum de 16 anos. No mesmo ano, o Porto venceu a Taça Portugal e pela primeira vez fazia a chamada dobradinha, ao conquistar no mesmo ano os dois maiores títulos daquele país.
Mesmo com essas conquistas, Yustrich era antipatizado por alguns de seus jogadores, entre eles Hernani Silva, o ídolo do time. Em 1958, o Porto goleou o Oriental por 5 a 0 e Yustrich mandou os seus jogadores agradecerem ao público o apoio que lhes tinha sido dado. Hernani foi o único a não cumprir a ordem porque não estava para «alimentar as palhaçadas do treinador», Foi o suficiente para se iniciar uma discussão áspera que culminou com um troca de socos. No final da temporada, Yustrich foi dispensado.
Suspeita-se que a saída de Yustrich tenha sido exigida pela PIDE, a temida polícia secreta do então ditador Oliveira Salazar. O regime salarazista tinha seu clube preferido, o Sporting, de Lisboa, e não via com bons olhos o sucesso do Porto, conduzido por um brasileiro.

in http://www.primeiraliga.com/showthread.php?t=10185

Anónimo disse...

Ironias do destino. Hoje é um brasileiro também que dirige a Selecção de Portugal, insulta, dá porrada e mente descaradamente a todos os portugueses e á a PIDE , Ministério Público ou PJ como lhe quiserem chamar, sustentada pelo regime actual que se mudou de armas e bagagens para o outro lado da 2ª circular.

Anónimo disse...

volta mourinho, tás perdoado

JJota disse...

Se perdermos todos os anos um jogo como o de ontem e continuarmos a ser campeões, não me importo nada.Estamos a fazer,na Liga, o melhor início de época dos últimos 10 anos e Jesualdo tem obviamente a ver com isso.Vamos continuar a apoiar a equipa e conquistar no Sábado a 6ª vitória consecutiva.Desestabilzação nesta altura era tudo o que os nossos adversários queriam.Não vamos dar-lhes esse prazer.Deixá-los a comemorar a vitória conseguida na Amadora num dos maiores escândalos que me lembro de ver no futebol."A batota na Amadora" seria um bom título para o próximo filme do Botelho,com argumento da Pinhão e produção do Vieira.

Anónimo disse...

Boas companheiros dragões. Não tive oportunidade de ver este jogo e apenas ouvi o relato da primeira parte. Não consigo concordar consigo companheiro jjota. Eu, ou melhor nós, que vamos aos estádios, pagamos as nossas quotas, vivemos o nosso FCP, temos de ser exigentes. Só assim seremos melhores. Apesar das vitórias no campeonato, vem-se do estádio com a sensação que "correu bem" mas as exibições são no mínimo sonolentas.
E este tem sido o problema. As coisas tem "corrido bem" mas os maus passes, falta de fio de jogo de formas continuada, livres, cantos, faltas mal marcadas estão lá e são inademissíveis para jogadores que fazem "treinam" todos os dias...Destabilizar eu considero, por exemplo, jogar bem e alguém fazer crer que se joga mal. Olhar para os factos e ter espirito critico (de preferência construtivo) é diferente de destabilizar.
Cumpr. Rui