quinta-feira, 10 de março de 2011

Um jogo, duas partes



Foi um jogo atípico em Moscovo, mas com o resultado que todos queríamos: a vitória do nosso FC Porto e sem sofrer golos.

Na primeira parte, muito desambientados ao terreno e ao frio, com Fernando mal posicionado e a deixar jogar os rápidos elementos do CSKA no ataque. Houve, diga-se, momentos de pânico total e fomos salvos por um punhado de defesas fantásticas do Helton, em grande forma.

Na segunda parte, com Fernando mais próximo dos defesas e a saírem em marcação ao homem com a bola para impedir o passe aos atacantes, a equipa acalmou e começou a explanar o seu futebol de outra forma, a criar perigo e a superiorizar-se aos russos.

Falcao esteve muito bem a fazer de pivot. E Varela entrou muito bem, dinamizou muito. Fucile e Sapunaru subiram bem e falharam pouco defensivamente.
No outro extremo a dupla Moutinho-Guarin não ajudou muito nas tarefas defensivas, o Otamendi falhou muitos passes (e alguns que ocasionaram lances de quase golo) e o Fernando na primeira parte estava mal posicionado, no que terá sido corrigido pelo AVB ao intervalo. Hulk é que bem tentava mas não conseguia, não é feito para aqueles relvados. James também não esteve muito bem, mas não comprometeu.

Agora, no Dragão, muita atenção e concentração para travar os russos. Mas já temos um pé na eliminatória seguinte...

3 comentários:

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Mostramos mais uma vez que perante qualquer adversidade, temos capacidade de adaptação e conseguimos vencer.

Ontem num relvado sintético, Hulk e James não se adaptaram, e na primeira parte pouco jogo ofensivo produzimos.

Limitamos-nos a tentar controlar o excelente tridente ofensivo russo, que nos causou imensos calafrios.

Na segunda parte a partir dos 60 minutos, e depois das alterações de Villas Boas, dominamos o jogo, chegamos à vantagem, e podíamos mesmo ter sido "gulosos" e ter lutado pelo 2 a 0, mas a equipa não quis arriscar, pois o adversário, face à qualidade dos elementos que entraram Nedic e Tosic, também poderia marcar e colocar em risco o excelente resultado.

Valeu Helton, sempre seguro a transmitir tranquilidade a uma defesa que esteve num excelente nível. Grande exibição de Otamendi, Rolando, Sapunaru e Fucile muito bem. No meio campo Fernando e Moutinho estiveram ao seu nível. Varela entrou muito bem no jogo, tal como Cebola e Guarin foi uma aposta ganha de Villas Boas.

Agora no Dragão temos de ser mais eficazes do que fomos diante do Sevilha, para marcarmos e não andar na corda bamba até final do jogo.
Esta equipa russa provou ontem que pela qualidade dos seus atacantes, pode marcar em qualquer campo.

Nós somos superiores no computo geral e temos uma vantagem que nos permite chegar aos quartos de final.

Bravos os nossos adeptos que se deslocaram a Moscovo apara apoiar a equipa.

Abraço

Paulo

http://pronunciadodragao.blogspot.com/

Dragaopentacampeao disse...

Foi uma vitória feliz, num relvado difícil, a avaliar pelas dificuldades sentidas por grande parte dos nossos jogadores.

Helton esteve gigante a assegurar o nulo, na primeira parte, para no segundo tempo vir ao de cima a maior classe do FC Porto, que finalmente tomou conta do jogo, conseguindo o triunfo com um belo golo de Guarín (para mim muito mais útil que Belluschi) e com a sensação de que o marcador poderia ter sido alargado.

A eliminatória está longe de se considerar ganha, mas que este resultado constitui um passo importante para o conseguir, ninguém o pode negar.

Um abraço

P. Ungaro disse...

Mais um passo no brilhante caminho que temos percorrido este ano.
Com maior ou menor dificuldade vamos subindo degrau a degrau sem ajuda de ninguem, ha que dar merito a AVB e á equipa que funciona como um todo.

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/