segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Jornada 5 - nova derrota!

E não é do adversário, é nossa.

Mais uma vez, estamos a demonstrar fragilidades onde não devemos: nas rotinas de jogo e na mentalidade com que abordamos os jogos.

E isso acontece a partir do banco. Porque a saída do Bellushi e a entrada do Guarin tem muito a ver com a questão da equipa carburar menos e é o elo de ligação entre as derrotas de Stanford Bridge e Braga. Bellushi é essencial para programar e pensar o jogo ofensivo, para o último passe, para dar a criatividade que o meio campo sem ele não tem. Guarin pode ter sido importante para dar musculo à equipa, mas muito músculo e pouco cerebro nem sempre resulta.

Como bem diz hoje o comentário do'O Jogo, perdemos em Braga por falta de comparência, por ausência do jogo. E isso é falta de atitude, é falta de vontade. E isso também é do banco e da bancada (direcção) que tem de vir.

A equipa a espaços já demonstrou que está tão bem como o ano passado, talvez até melhor nalguns pormenores. Não pode é estar intermitente nem alhear-se totalmente do jogo. E o treinador não pode dar baldas destas. Sob pena de hipotecar a época. Temos fortes adversários este ano, a saber e por ordem: árbitros, liga, comentadores/imprensa, benfas e Braga. Temos de ser mais fortes que nós próprios, superar-nos, para levar para os louros no final da época.

Jogos como o de sábado é que não. Este fim de semana, contra o Sporting (que desde a celebre proclamação do Mourinho, tem pago as "facturas") é o ideal para inverter tendências. Ganhar, desde logo. Jogando com muita atitude e personalidade. E com os melhores, claro está.

De notar que há jogadores que estão a precisar de trabalho especifico, fisico e psicológico. Nomeadamente o Bruno Alves e o Meireles, que ainda não estão a 100% nestes dois capitulos e que, sem isso, a equipa nunca atingirá valores superiores. São duas peças fundamentais na engrenagem e sem eles perfeitamente oleados, o motor "gripa".

Assim, para sábado, eu procedia às seguintes alterações: Beto na baliza, Bellushi no meio campo ofensivo e o Cebola no ataque, retirando o Helton, o Guarin e o Hulk. Eu sei, o que vão dizer, mas acho que o Beto merece a oportunidade e estes jogos são optimos para arrancar estas oportunidades, o meio campo é de uma evidência total e o Hulk seria para preservar o jogador e lançar durante o encontro, até porque a boa forma do Varela permite fazer rotação entre o Varela, o Hulk e o Cebola.

7 comentários:

GdI disse...

Completamente de acordo. Veremos se há "coragem" para tal...

Ricardo de Sousa disse...

Concordo no geral.

Helton para o banco já.
Quanto ao Hulk não. Vamos ter mais calma com o incrível. Ele precisa de jogar para aprender com os erros.

Abraço

Ricardo de Sousa disse...

Já agora, espero que isto
seja uma brincadeira!

Petição disse...

POR UMA REVOLUÇÃO NO FUTEBOL EM PORTUGAL:
Revolucionar o Futebol profissional em Portugal, pela implementação de um novo modelo de gestão, financiamento e organização.

Petição em:
http://www.ipetitions.com/petition/revolucaofutebolportugal/

dragaovenenoso disse...

Eu também concordo. Não percebi a táctica, pareceu que se estava a jogar com algum clube da CL, para apresentar um meio-campo de contenção. Quando quis agarrar o jogo, pasme-se aos 65 minutos, teve o galo de sofrer um golo. Foi galo de facto. Inicialmente achei que o Helton poderia fazer mais. Agora não sei. Mas umas férias no banco não lhe fazem mal, servem para recordar que não é insubstituível.
Acho que o Hulk anda perdido neste onze. E desmotivado. è preferível ter o cebola a jogar de um lado e o Varela do outro. E o Hulk entra se for necessário.

António Pista disse...

Este blog tem a valia de condenar os seus próprios erros, ao contrário da maioria dos portistas que em vez de olharem para dentro, atacam sem pudor algum o SLB.

http://aguia-de-ouro.blogspot.com/

Anónimo disse...

Muito shoWWW!!! de grande utilidade!!Parabéns!!!Adorei as informações, a criação e desenvolvimento desse site!!!

http://empresadecriacaodesites.com